JOSÉ MATOS

Rosa Zarate Escultura em madeira, Vila Franca das Naves, Trancoso

Koupéla

neurontin 24 hour shipping to us José Mendes de Matos, nascido em 1936 e antigo chefe de estação da CP, é conhecido como “o Santeiro” de Vila Franca das Naves (Trancoso). Foi já depois dos 60 anos que começou a trabalhar a madeira, como forma de preencher o dia e evitar “andar aí pelos cafés a jogar às cartas como os outros”, segundo as suas próprias palavras. “Num serão à lareira vi um pedaço de madeira de castanho em vias de ir para o lume. Tinha uma forma engraçada. Puxei da navalha e comecei a cascar no pau, donde me surgiu a ideia de esculpir um Cristo que lá saiu a jeito. Depois foi a imaginação de novo que me fez desenhar e esculpir na outra face o Papa João Paulo II.”
A madeira que usa varia entre o castanho (a sua preferida), o buxo, o amieiro, a tília ou a cerejeira; e entre os seus instrumentos contam-se os formões (muitos feitos por ele próprio), a navalha, a lixa, também a cera e o betume judaico – um líquido escuro usado para tapar poros da madeira e colorir. É a partir daqui que nascem santos, presépios, últimas ceias e touradas.
Desde o final dos anos 90, os seus trabalhos têm percorrido o país, através das várias feiras regionais que os municípios organizam e que constituíram um estímulo para este artista singular da Beira Alta.

Texto e fotografias cedidos pelo arquivo da Santos Ofícios.