MISTÉRIO

Domingos Gonçalves Lima, conhecido por “Mistério”, é um dos mais consagrados barristas de Barcelos. Nascido em 1921 em Galegos - S. Martinho, foi na freguesia vizinha de Galegos - Sta. Maria que se fixou até falecer. A alcunha “Mistério”, segundo dizem, surgiu do seu aspeto muito frágil quando criança, e do facto de ser para todos um mistério ele ainda se encontrar vivo. A sua vida foi dedicada ao figurado, nunca tendo qualquer outra ocupação. De todos os barristas de Barcelos, Mistério será, provavelmente, o que mais usou a ironia e a crítica social nas suas criações, representando com frequência a figura do diabo agarrado aos seus vícios, nomeadamente o álcool e o tabaco. As suas elaboradas “alminhas” encontram-se entre as suas peças mais interessantes, representando a relação entre o céu e o inferno, o bem e o mal. Para além de ser uma personalidade bastante celebrada no contexto local, as suas peças desde cedo chamaram a atenção de artistas e intelectuais. Logo em 1964, Ernesto de Sousa expôs o seu trabalho em Lisboa, destacando a qualidade da sua obra. E em 2015, várias das peças integraram uma vasta exposição sobre arte popular portuguesa no MOA (Museum of Anthropology), no Canadá. Mistério faleceu em 1995, mas os seus filhos, Francisco e Manuel, continuam a manter vivo o seu legado, produzindo peças dentro do estilo que Mistério criou e sedimentou.

Fotografias cedidas pelo Arquivo Fotográfico do Museu de Olaria de Barcelos.